Isto É Dinheiro – A velha e a nova bioeconomia

“Passado em xeque: A tendência é que os investidores internacionais se afastem de atividades predatórias que contribuem para o aquecimento global.”

 

A velha e a nova bioeconomia

“… Para ter dimensão da distância que existe, durante as mais de 30 horas de palestras e discussões listadas na programação oficial, a participação de assuntos relacionados direta e exclusivamente ao financiamento sustentável não chegou a 10%. Não é necessariamente demérito dos organizadores do evento, mas é uma evidência de quanto o tema é periférico para o setor financeiro. Vale lembrar aqui que, como disse Janaina Dallan, sócia da Carbonext e presidente da Aliança Brasil em Soluções Baseadas em Natureza, nas Páginas Azuis desta edição (ver página 10), o engajamento dos líderes mundiais no Acordo de Paris e suas metas para a redução do aquecimento global só aconteceu “quando Larry Fink, CEO da Blackrock, escreveu uma carta aos seus clientes [janeiro de 2020] alertando que, para garantir a perpetuidade do negócio, os executivos deveriam passar a avaliar as questões climáticas como riscos de negócio…”

Leia mais.